Palavra do Instagram aos Romanos


Parece mentira, mas é verdade. Há pessoas que levam muito a sério o Instagram e acham que são famosos se tiverem alguns seguidores. Mas trago aqui uma novidade: caríssimos...  isso não é assim tão linear. E não é por ter 1000 fãs, e um perfil a terminar com "oficial", que fará de qualquer um... uma celebridade. A vida não se esgota nas redes sociais, e prova disso mesmo, é a situação que actualmente vivemos devido ao COVID-19. Agora é tempo de percebermos onde está realmente a diferença e dar valor àquilo que importa. Àquilo que nos preenche e faz feliz. É claro, que muitos miúdos hoje em dia querem ser "influenciadores", e já deixaram de lado, faz algum tempo, a ideia do astronauta, do médico ou do polícia, mas isto só demonstra o quão errado isto é. O quão estranha a sociedade está a ficar. 

Também não vivo alheado do mundo. Sei que há pessoas que vivem exclusivamente do Instagram, do Facebook e Blogues, mas é uma escassa minoria, e fazem-no, porque se transformaram em "profissionais". Assumiram a produção de conteúdos como uma finalidade para um fim, e deixaram, de ter alguma verdade naquilo que partilham. Para mim, as redes sociais são um complemento. Um acessório para o essencial. Uma ferramenta para ser ouvido anonimamente e não um guião para viver o que quer que seja.  

Sem comentários:

Publicar um comentário

Este blogue não é uma democracia e eu sou um ditador’zinho… pelo que não garanto que o comentário seja publicado. Mas quem não arrisca…